terça-feira, 28 de agosto de 2007

Mensalão: o batismo

Preciso registrar isso. Meu batismo na TV Justiça foi esse julgamento do mensalão. Quem acompanhou o julgamento pela emissora deve ter notado o comentarista barbudo que ora vos escreve. Cheguei lá há três semanas para prestar consultoria jurídica para o jornalismo da TV e acabei indo parar no programa Justiça em Ação, que transmite e analisa todas as sessões do Plenário do STF. Parece que isso é inédito em todo o mundo. O Supremo julga todas as semanas regularmente (quarta e quinta em Plenário, terça nas duas Turmas)... Na verdade julga diariamente, pois a maior parte das estatísticas decisórias é resultado de decisões individuais de cada ministro-relator. A jurisprudência da Casa já é vinculante há muito, mas principalmente depois que a lei processual autorizou expressamente os relatores a decidirem o mérito dos recursos com base nos precedentes. Mas isso é outra história, estou aqui pra contar sobre meu batizado. Foi esse mensalão de cinco dias, mais de trinta horas de sessão (e de estúdio), links, vts, lapadas, escaladas, pé, cabeça, lauda, espelho (ainda não sei o que é maquiagem), os monitores e os tps ausentes, complicado! Mas parece que deu certo. Parece mesmo, pois eu gostei. Sofri mais com as entradas ao vivo nos telejornais: batimentos cardíacos fora de controle versos palavras encadeadas em frases a formar o discurso que jorre e pare... e explique e comente e narre os juízos os raciocínios jurídicos legais constitucionais. Isso também é difícil, refiro-me ao Direito, exige um domínio intelectual e tanto, mas se permite entender. Seria possível explicar isso na televisão? Não duvidei que conseguiria fazer, mas confesso que fiquei espantado com um bom resultado em tão pouco tempo. Sem falsa modéstia, espero ter feito bem esse trabalho. E que trabalho! Fui batizado na TV pelo mensalão! O caso difícil enfrentado pelo Supremo de maior audiência de sua história. Não havia ainda a TV no julgamento do FGTS (planos econômicos), quando desaguou no STF a enxurrada de recursos, inaugurando a era das estatísticas processuais. Ali o Supremo debateu o tema do direito adquirido com o Ministro Moreira Alves ditando o tom. Houve mais recentemente o julgamento do editor anti-semita e também o do aborto terapêutico em caso de feto anencefálico (este não concluído), mas acho que nenhum destes recebeu tanta atenção quanto o caso do mensalão. As repercussões políticas falam por si. Bom, acho que tudo correu bem porque fui bem acolhido, a simpatia de todos me deixou bem a vontade. Especialmente ali na bancada do estúdio, tive a companhia mui gentil e agradável de Odete Rocha Masi para começar a fazer as transmissões ao vivo. E hoje, cerca de três semanas depois, já dividindo a bancada com Rafael Braga, ajudei a concluir a cobertura da TV Justiça sobre o caso Mensalão. Ufa. Obrigado aos "coleguinhas" pelo apoio. Quem sabe eu não resolva tirar as aspas? Forte abraço.

PS. Haverá fotos.

4 comentários:

Anônimo disse...

Aê Mauro,

Mandou bem nos comentários na TV justiça.

Grande Abraço.
Marcus Gil

Mauro Noleto disse...

Valeu, meu velho. Sucesso aí na empreitada amazônica.

Abraço forte.

Cláudio Ladeira disse...

Antigamente novatos no emprego iniciavam com amenidades...
Parabéns pela estréia!
Cláudio

Mauro Noleto disse...

Obrigado, Ladeira.
Forte abraço.

Mauro